Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vou ali já venho

Vou ali já venho é considerado pela crítica como o melhor blogue de sempre. Pelo menos foi o que o seu autor ouviu dizer.

Vou ali já venho

Vou ali já venho é considerado pela crítica como o melhor blogue de sempre. Pelo menos foi o que o seu autor ouviu dizer.

Rubrica

A assinatura é a principal protagonista do mundo da identificação. Conhecida pelo seu temperamento burocrático, ela desnuda o nome de cada um perante o olhar inspectivo das repartições, partes interessadas e da lei. Não há contrato ou documento gravoso que dispense a sua tutela. Embora possa actuar sozinha na regulação do comércio das vontades, ela partilha em muitos casos essa tarefa com a sua parceira rubrica. É nesse Robin rabiscado que a assinatura delega a recepção de cartas e outras funções de menor relevância, e é com ele que se faz acompanhar em missões de maior risco, naquelas em que a caneta tem de enfrentar múltiplas páginas e cláusulas contratuais agressivas – fatais para o assinante mais distraído.

 

Nem sempre os assinantes cuidam da legibilidade das suas assinaturas. Algumas são mesmo bastante indolentes, distendidas, arrogantes no seu descuido. Mas, em regra, é possível identificar o nome das pessoas que as apõem. É precisamente aqui que se cava a principal diferença entre a assinatura e a rubrica. Enquanto aquela se conforma com as prescrições estéticas do abecedário, a rubrica liberta-se desse jugo opressor e entende a escrita do nome como um exercício recreativo. Mais do que uma forma de identificação, a rubrica é um devaneio artístico pelo qual o rubricador sente na ponta dos dedos a mesma verve apaixonada com que Pollock atacava as telas, se embrenha nos enigmas simbólicos forjados por Kandinsky, esquadrinha geometrias familiares ao cubismo de Picasso. Diariamente, milhões de canetas BIC e outros pincéis mais refinados vertem nos cantos das folhas o talento de artistas anónimos, unidos na procura de aprofundar os meandros estéticos do abstraccionismo nominal – ou, como é plebeiamente conhecido, do gatafunhismo.

 

Apesar da preponderância da rubrica abstracta, certos quadrantes da sociedade portuguesa têm vindo a alertar para os excessos que resultam desta deriva estilística. Defendem um pacto de regime entre a sobriedade da assinatura e o arrojo da rubrica. O seu livro de estilo admite, por exemplo, a popular linha que liga umbilicalmente o início e o fim do nome. Aceitam, aliás, que os contornos dessa linha possam ser lineares, recurvados ou ziguezagueantes. O adorno estético não é para os moderados um mal em si mesmo. O problema coloca-se quando a pulsão inventiva redunda na ininteligibilidade do nome escrevinhado. Um exemplo clássico deste tipo de garatuja é a rubrica-polígrafo, igual ao tracejar de uma máquina da verdade quando escuta um mentiroso – este estilo é igualmente conhecido como rubrica-Himalaias, pois assemelha-se à orografia de uma cadeia montanhosa. Alvos da crítica desta corrente são também a rubrica-anaconda, desenhada em jeito de espiral, a rubrica-pista-de-fórmula-1 e a rubrica-olha-inventei-uma-letra-nova, a qual, embora se assemelhe aos caracteres chineses, é apenas um rabisco desmazelado.

 

Até aos dias de hoje tenho sido um rubricador que está no limite do aceitável para os moderados e demasiado apegado à ortografia convencional para os radicais. Aponho nos documentos em que me exigem esse certificado nominal a primeira letra do meu nome próprio e dos meus dois apelidos (FPC) e depois agasalho essas três letras no interior de um C com a perna esticada, como aquela sinalização usada pelos professores para indicar a correcção das respostas. Ando, no entanto, tentado a testar o sistema. Desconfio que se desenhasse uma cegonha fumadora, uma bengala com olhos e boca, ou apenas umas linhas embriagadas quando me dizem “faça o favor de rubricar esta página”, ninguém iria reclamar. Vou testar esta hipótese nas próximas semanas e desafio o caro leitor a fazer o mesmo. Caso se confirme que a rubrica é, na verdade, uma prática pueril e obsoleta, talvez fosse boa ideia avançar-se com um abaixo-assinado a exigir o seu fim.

 

&F%P=C:

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub