Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vou ali já venho

Vou ali já venho é considerado pela crítica como o melhor blogue de sempre. Pelo menos foi o que o seu autor ouviu dizer.

Vou ali já venho

Vou ali já venho é considerado pela crítica como o melhor blogue de sempre. Pelo menos foi o que o seu autor ouviu dizer.

Bom dia vizinho

Por uma qualquer razão misteriosa convencionou-se que devemos saudar ou cumprimentar as pessoas que conhecemos, mesmo se esse conhecimento for muito ténue. Fazemo-lo quando passamos fugidiamente por alguém na rua ou como aperitivo para uma interacção mais ou menos palavrosa. Parece que andamos a brincar ao joguinho do reconhecimento. As regras são simples: quem falha cumprimentos é considerado mal-educado, presunçoso e arrogante. Quem cumprimenta não faz mais do que a sua obrigação. Para ganhar este jogo é necessário que uma pessoa consiga cumprimentar sempre, durante a sua vida, todas as pessoas que conhece, ainda que de forma vaga. Até hoje não há notícia de um vencedor. Mesmo os melhores técnicos oficiais de contas e praticantes do jogo das damas falharam, pelo menos, cinco cumprimentos durante a sua esfuziante existência.

 

Embora seja um jogo apreciado por alguns, o cumprimento é um hábito pueril, não serve para nada do ponto de vista da produtividade social. O cumprimento não aporta valor bruto à convivência entre as pessoas, é uma mera formalidade no processo comunicativo, uma aparência inscrita no discurso. Qual a diferença entre eu dizer a uma louraça “olá, chamo-me Frederico, gostava de entrar contigo no calhambeque do amor” e “chamo-me Frederico, gostava de entrar contigo no calhambeque do amor”? Não seria seguramente por causa do “olá” que eu me escaparia a um terno tabefe.

 

A irracionalidade do cumprimento é posta em evidência quando se dá o caso de encontrarmos uma pessoa várias vezes no mesmo dia, por exemplo num corredor. No primeiro encontro troca-se um jovial “olá”. No segundo solta-se um “oi” já algo contrariado. No terceiro começam-se a usar gestos, tais como piscar os olhos, lançar a cabeça para trás ao mesmo tempo que se elevam as sobrancelhas, erguer o braço em jeito de saudação nazi ou elevar o polegar como que a pedir boleia. Algumas pessoas conciliam esta linguagem corporal com grunhos imperceptíveis como “oon”, “eiiii” ou “ãooo”. À quarta passagem finge-se hipocritamente que não se está a ver o outro peão e se houver uma quinta ronda a violência torna-se inevitável.  

 

Para além de imprestáveis, os cumprimentos de circunstância são também, em alguns casos, bastante equívocos. Nomeadamente quando são feitos sobre a forma de uma interrogação. Temos em primeiro lugar os cumprimentadores-filósofos, que desafiam os cumprimentados a reflectir sobre o sentido da vida, a morte, o sofrimento humano, a busca da felicidade.

- Então?!

- Então o quê?

- Então… coiso… como é que vai a vida?

- Vai bem.

- Isso é que é preciso.

 

Depois há os cumprimentadores-galhofeiros. Neste caso eles cumprimentam sob a forma de uma interrogação antevendo que a outra pessoa vai dar uma resposta jocosa.

- Como é que é?

- É grande e grosso e dá duas voltas ao pescoço!

- Ahahahahaha!

 

Finalmente, dentro desta categoria de gente que saúda através de uma interrogação, existem os cumprimentadores-que-já-deviam-saber-que-não-deviam-dizer-tudo-bem? Estamos a falar de cidadãos que na aparência se preocupam com o bem-estar dos outros, mas que na verdade dizem “tudo bem” só por dizer. Toda a gente faz isto, é normal. Mas quando o remetente deste tipo de cumprimento é uma velha, a pergunta é abraçada sofregamente e dez a quinze minutos da nossa existência são atirados ao lixo.

- Sim, está tudo bem… quer dizer, ando cheia de dores nas cruzes, a minha filha está desempregada e é uma vadia, o meu marido gasta-me o dinheiro todo no café, o Coelho é um grandessíssimo…

 

O cumprimento é também gerador de fenómenos estranhíssimos. Tenho um vizinho que me cumprimenta apenas quando estamos dentro do prédio. Os níveis de urbanidade do senhor seguem um padrão: regridem em função da proximidade da rua. Quando nos encontramos no primeiro ou no segundo andar deseja-me veementes bons dias, boas tardes, boas noites, adere até às pueris reflexões sobre meteorologia que formam a argamassa das relações entre condóminos, pergunta pela família, queixa-se do entupimento das caixas de correio pela predatória Dica da Semana, mostra-se preocupado com o estado de conservação do edifício. É, no fundo, um amigo. Quando nos cruzamos no rés-do-chão a amizade calorosa dá lugar a uma relação administrativa e o cumprimento nunca vai além de um pressuroso “como vai?” ou de um distraído “olá”. A frieza no trato agudiza-se nos híbridos degraus que ligam o prédio ao passeio. Aí nunca mereço mais do que um “oi” ou um qualquer cumprimento gestual desgarrado. E mal assenta os dois pés no passeio, o indivíduo ignora-me. Quantas vezes nos cruzámos na rua Luciano Cordeiro e em troca de um cordial “bom dia vizinho” recebo apenas uma torrente de absolutamente nada. Nem um piscar o olho, nem uma saudação sonora imperscrutável, zero. Um desmazelo. O cumprimento é um gesto parvo, mas não restam grandes dúvidas de que o senhor é mal-educado, presunçoso e arrogante.

 

FPC

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub